Notícias

O veto vem para dar o golpe fatal a uma educação já limitada e frágil

image1Confira a entrevista que a antropóloga e linguista Bruna Franchetto, professora do Museu Nacional da UFRJ, concedeu a Tatiane Klein, do Instituto Socioambiental (ISA), sobre o veto da Presidente Dilma Rouseff ao projeto de lei que traria inovações à Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional (LDB) no tocante a educação escolar indígena.
2015 RCA IV mod Mauricio Yekuana (23)Qual sua opinião sobre o veto da presidência da República ao PL que inseria na LDB a possibilidade de critérios diferenciados de avaliação para escolas indígenas e ampliava o uso de línguas indígenas para os ensinos médio, profissionalizante e superior?

Um desastre, um atraso vergonhoso, declaração de ignorância e sede colonialista, na contramão do que acontece no mundo.

Leia mais...

Universidade Federal de MG repudia o veto da presidente contra o projeto de lei que aprimora a legislação de educação indígena

logo_fae_colorprincipal_completa_ufmg

O curso de Licenciatura em Formação Intercultural para Educadores Indígenas da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais emitiu um manifesto de repúdio ao veto presidencial relativo ao Projeto de Lei PL 5954/2013, de iniciativa do Senador Cristovam Buarque (PDT/DF), que visa alterar a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) para fazer respeitar o direito à educação específica e diferenciada dos povos indígenas no Brasil, inclusive no processo de avaliação.

Leia mais...

Conselho Indigenista Missionário publica nota de repúdio ao veto presidencial

CIMI logoNota de repúdio do Conselho Indigenista Missionário – CIMI ao veto presidencial referente ao Projeto de Lei Nº 5.954-C de 2013. “Sempre foi máxima inalteravelmente praticada em todas as Nações, que conquistaram novos Domínios, introduzir logo nos povos conquistados o seu próprio idioma…”   (Acesse aqui para ler o documento na íntegra.)

Rede de Cooperação Amazônica

A RCA tem como missão promover a cooperação e troca de conhecimentos, saberes, experiências e capacidades entre as organizações indígenas e indigenistas que a compõem, para fortalecer a autonomia e ampliar a sustentabilidade e bem estar dos povos indígenas no Brasil.