RCA inicia intercâmbio coletivo ao Xingu

Sábado. 16 de outubro de 2010. Tem início hoje, em Brasília, um intercâmbio coletivo de representantes das organizações indígenas e indigenistas que formam a RCA-Brasil ao Parque Indígena do Xingu em Mato Grosso. Durante 15 dias, mais de 30 representantes indígenas e indigenistas da Foirn, Hutukara, Apina, Wyty-Catë, Opiac, Iepé, ISA e CTI participarão de um intercâmbio coletivo ao Parque Indígena do Xingu, com intuito de conhecer e trocar experiências sobre a gestão territorial do entorno das terras indígenas. O grupo chega na manhã do dia 17 em Canarana, onde serão recebidos pelos representantes da Atix e do ISA-Xingu.

Intercâmbios coletivos – O Parque Indígena do Xingu, em Mato Grosso, foi o local escolhido para sediar o intercâmbio coletivo das organizações que integram a RCA em 2010, concluindo um ciclo de intercâmbios coletivos, iniciado em 2007, centrado na temática da gestão territorial e ambiental das terras indígenas. Naquele ano, a RCA realizou um intercâmbio simultâneo na Região do Rio Negro, seguido por um encontro de sistematização, focado na gestão territorial indígena, que permitiu não só a troca de informações, mas a sistematização de experiências e de dificuldades comuns aos diferentes contextos regionais e culturais de origem dos participantes, possibilitando a identificação de estratégias e metodologias semelhantes e divergentes empregadas pelas organizações membro. Os representantes dos povos indígenas de diferentes regiões da Amazônia viajaram para o município de São Gabriel da Cachoeira (AM) e lá se constituíram três grupos que viajaram por rios distintos, com o objetivo de conhecer as estratégias de gestão territorial e ambiental implementadas pela Foirn e pelo ISA naquela região. Visitaram os Rios Uaupés, Içana e Tuyuka e na volta dessa viagem, por três dias, os 35 participantes do intercâmbio discutiram e sistematizaram conhecimentos acumulados sobre práticas em gestão territorial indígena.

Em 2009, a RCA ampliou a discussão aprofundando o tema da gestão territorial, promovendo um novo intercâmbio para o Acre com o tema “Formação para a gestão territorial e ambiental das Terras Indígenas”, que reuniu 40 pessoas – entre lideranças, agentes ambientais e professores indígenas provenientes de 18 povos distintos, bem como assessores e agentes diretamente envolvidos com o tema – pertencentes a 17 organizações indígenas e indigenistas que integram a RCA e/ou mantêm parceria com suas organizações membro. Os participantes viajaram para a Terra dos Ashaninka, visitaram o Centro de Formação Yorenka Ãtame (em Marechal Tamaturgo) e conheceram as experiências de gestão territorial implementadas por esse povo. Depois, retornaram a Rio Branco e por 4 dias sistematizaram conhecimentos sobre as estratégias de formação envolvidas na gestão das terras indígenas. Um documento com sugestões para as políticas públicas foi elaborado e difundido (ver neste blog).

Viagem ao Xingu – E, agora, de 16 a 30 de outubro de 2010, a RCA conclui esse ciclo de intercâmbios, realizando um intercâmbio coletivo para a região do Xingu, com o intuito de por em discussão a questão da gestão do entorno das terras indígenas. O Parque Indígena do Xingu foi escolhido para sediar o encerramento desse ciclo de intercâmbios sobre gestão territorial por ser uma região de transição entre o cerrado e a Amazônia, que abriga 50 aldeias onde vivem 15 povos distintos, com uma população que ultrapassa as 5 mil pessoas, num complexo sistema de convivência cultural, e por estar construindo respostas condizentes aos desafios que pairam sobre o Parque. Nos últimos anos, um verdadeiro “abraço de morte” cercou o Parque do Xingu, com uma crescente deterioração das condições ambientais do seu entorno, resultado do desmatamento intenso, praticado pelas fazendas com plantação de soja e criação de gado, poluição e assoreamento dos rios e afloramento de conflitos ambientais. A situação ganhou projeção internacional e um conjunto de ações foram postos em marcha para reverter esse quadro. Conhecer essas experiências, interagir e aprender com elas constituem a idéia básica que orienta a realização do intercâmbio da RCA em 2010.

No roteiro da viagem, os participantes conheceram as aldeias dos Yawalapiti, Kaiabi, Kuikuro, Kisêdjê, Ikpeng, além do PI Diauarum. O intercâmbio termina com um encontro de sistematização sobre o contexto regional e as estratégias de gestão territorial nas terras indígenas. Espera-se atingir os seguintes objetivos com esse intercâmbio:

1. Promover o intercâmbio de experiências entre povos indígenas da Amazônia e o conhecimento das práticas de gestão territorial indígena e do seu entorno, desenvolvidas pelos povos indígenas do Xingu, no Estado de Mato Grosso.

2. Sistematizar e difundir conhecimentos de gestão territorial indígena acumulados pelos povos indígenas e pelas organizações indígenas e indigenistas integrantes da RCA-Brasil, no que se refere à questão do entorno das terras indígenas e de seu contexto regional.

3. Apresentar as conclusões do intercâmbio e da oficina de sistematização aos órgãos governamentais de interesse, visando contribuir com as políticas públicas voltadas a proteção das terras indígenas e das florestas brasileiras.

O intercâmbio da RCA ao Xingu é coordenado pela Atix e pelo ISA-Xingu e conta com o apoio da Rainforest Foundation da Noruega, da Embaixada Real dos Países Baixos no Brasil e do Programa de Meio Ambiente da USAID.

0 Comentários

    Deixe um comentário

    9 + 20 =

    XHTML: Você pode usar essas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

    Rede de Cooperação Amazônica

    A RCA tem como missão promover a cooperação e troca de conhecimentos, saberes, experiências e capacidades entre as organizações indígenas e indigenistas que a compõem, para fortalecer a autonomia e ampliar a sustentabilidade e bem estar dos povos indígenas no Brasil.