III Módulo do Formar PNGATI é realizado no Centro de Formação dos Povos da Floresta, Acre

A RCA realizou de 15 a 19 de junho o terceiro módulo do curso Formar PNGATI  no Centro de Formação dos Povos da Floresta/Acre. Com a parceria do IIEB e da FUNAI e o apoio da CPI-Acre e das organizações indígenas locais, AMAAIAC e OPIAC, este módulo do curso foi dedicado ao estudo dos instrumentos de gestão territorial e ambiental e contou com a participação de 22 representantes indígenas, membros das diretorias e representantes indicados das organizações indígenas e indigenistas que integram a RCA . Contou também com a presença de duas lideranças do povo Apurinã, convidados para compartilhar a experiência de etnomapeamento e formação de pesquisadores indígenas Apurinã da TI Camicuã, em Boca do Acre/AM.

CFPF-Mód III

Ao longo da semana de curso os participantes realizaram visitas ao Centro de Formação dos Povos da Floresta, guiada pelos gestores locais e por Josias Maná Hunikuin, presidente da Associação do Movimento dos Agentes Agroflorestais do Acre – AMAAIAC, para conhecer suas atividades de manejo e manutenção dos modelos demonstrativos de produção agroecológica (SAFs, criação de pequenos animais, horticultura, apicultura, esculturas com madeiras desvitalizadas, entre outras ações) e conheceram o acervo de documentação da CPI/Acre. Realizaram ainda visitas à Biblioteca da Floresta, onde estiveram na exposição “Arte Indígena: Esculturas e Desenhos”, promovida pela CPI-Acre, e no espaço Povos da Floresta, estiveram também no Parque Chico Mendes e no Palácio Rio Branco.

DSC05865
Maná Hunikuin e sua esposa Ayani Hunikuin
DSC_0885
Acervo de documentação do Centro de Formação dos Povos da Floresta

0 Comentários

    Deixe um comentário

    dois × dois =

    XHTML: Você pode usar essas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

    Rede de Cooperação Amazônica

    A RCA tem como missão promover a cooperação e troca de conhecimentos, saberes, experiências e capacidades entre as organizações indígenas e indigenistas que a compõem, para fortalecer a autonomia e ampliar a sustentabilidade e bem estar dos povos indígenas no Brasil.